Sobre

Falar sobre a aventura que é viver com diabetes tipo 1. Os desafios, as dificuldades, as alegrias quando algo dá certo e aquele exame vem com os resultados bonitinhos que dão orgulho.

Não é sobre sorrir todos os dias e agradecer a quem quer que seja por eu ter uma doença/condição/característica.

É sobre xingar quando for preciso, sobre aceitar as dificuldades, compartilhar os desafios e as frustrações, comemorar quando for a hora de comemorar, mas, acima de tudo, entender que ser diabético é difícil-para-um-caralho-porra!

Eu e a Nádia, minha esposa na fronteira entre Chile e Argentina durante uma viagem de moto até o Atacama, em 2016

Rafael Apocalypse

Pode-se dizer que alguém é um empreendedor nato? Bom ou ruim eu sempre empreendi, a vida toda eu tentei construir algo que fosse meu, que tivesse a minha cara.

Tentei algumas vezes, acertei em algumas errei em outras, faz parte.

Descobri o diabetes tardiamente, quase com 20 anos de idade, depois de ter passado a adolescência vendo meu pai que também era diabético pagar as contas do mal cuidado que ele teve com a saúde, até que fez um transplante de rim e pancreas e hoje ta super saudável.

Estudei turismo, design gráfico e virei programador, fundei o Glicemias Online, web app que ajudou mais de 16 mil pacientes diabéticos a viverem melhor e mais saudável, mas que não consegui transformar em negócio e agora no fim de 2020, está sendo encerrado.

Atualmente toco a área de tecnologia e produto em uma empresa que desenvolve sistemas para ajudar no controle e acompanhamento de pacientes diabéticos, a GlucoGear.

AventuraDiet?

Pois é, quando eu descobri que sou diabético, eu era atleta. Daqueles que treinam de verdade, que correm atrás de patrocínio e o escambau.

Que vergonha desses kilos extras de hoje.

Eu praticava esportes de aventura: escalada, mountain bike, corrida de montanha etc. E a primeira coisa que escutei no diagnóstico foi que eu não poderia mais fazer isso.

Everest por alguém que foi feliz em estar lá para fotografá-lo – Image by Free-Photos from Pixabay

Pesquisando descobri que esse fatalismo era desconhecimento dos médicos e que tinha diabéticos indo escalar o Everest.

Da necessidade de compartilhar conhecimento e falar sobre atividades de aventura para diabéticos surgiu o AventuraDiet. Escrevi bastante no formato revista digital, tive outros colaboradores, mas acabei sem tempo e o projeto morreu.

A ressureição

Morreu até outro dia, quando decidi que iria encerrar o Glicemias Online, mas ainda tinha muito para compartilhar sobre como é viver com diabetes e ainda fazer as loucuras que faço.

Já que viver é uma aventura, bem vindo à minha aventura low carb/diet/light/sem açúcar (mentira, um bom chocolate faz bem também).